[NEWSLETTER] “fazia do amor um cálculo matemático errado…”

[ Esse post é registro de uma das newsletters da Tiê Coaching]

Olá, tudo bem com você?

A newsletter de hoje foi escrita com o simples intuito de fazer você se sentir bem. Sim, “só” isso.
Se você não começou o dia muito bem a intenção é ainda mais ousada: pretendo que ao final da news você esteja se sentindo melhor do que está agora.

Espero que em algum desses links você encontre algo que tenha esse efeito. Me conta depois qual deles mais funcionou para você?

Play Monday: Pensa em um projeto criado por alguém que pensa assim:

“Eu não consigo acabar com a guerra, eu não consigo acabar com a miséria, eu não consigo acabar com a indústria de armas mas eu consigo transformar um instante…um instante eu consigo, isso está na minha mão…”

Esse o Play Monday novo projeto do incrível Cláudio Thebas, um cara que dispensa apresentações. Eu já amava o “>Fala que eu Não te Escuto e sou uma eterna admiradora dessas pessoas que não tem vergonha de brincar com os outros na rua.

Bora transformar o instante de alguém?

30ideias30dias: recentemente entrei em um desafio chamada 30ideias30dias de um curso chamado DecolaLab da Rafaela Cappai. Nele todos os participantes devem se manter em um movimento criativo por 30 dias. Eu decidi fazer vídeos para postar no Facebook da Tiê e estou me divertindo muito! O que era para ser um projeto caseiramente tímido acabou tendo quase 50 mil vizualizações no Facebook! Veja se alguma dica por lá é útil para você 😉
Os vídeos que mais gostei até agora foram:

Armadilhas do ego
O que fazer quando o clima da conversa fica esquisito?
5 bola (não) é a nota

Se gostar, compartilha com seu pessoal, curte a página da Tiê ou deixa seu comentário lá para eu ver!

Perdoando Deus:Olha, se nada do que foi dito aqui serviu para te fazer se sentir melhor, se você está em um dia melancólico mesmo, quero compartilhar contigo o meu conto da favorito da Clarice Lispector lido pela Aracy Balabanian.

Eu acho que já li esses conto umas 70 vezes na minha vida, e nos últimos tempos, por conta de um curso chamado “Conversas sobre a morte” que estou fazendo com a Dr. Ana Cláudia Quintana Arantes o conto da Clarice ganhou uma nova dimensão na minha vida.

Segue um dos trechos mais bonitos do conto:

“Como posso amar a grandeza do mundo se não posso amar o tamanho de minha natureza? Enquanto eu imaginar que “Deus” é bom só porque eu sou ruim, não estarei amando a nada: será apenas o meu modo de me acusar. Eu, que sem nem ao menos ter me percorrido toda, já escolhi amar o meu contrário, e ao meu contrário quero chamar de Deus. Eu, que jamais me habituarei a mim, estava querendo que o mundo não me escandalizasse. Porque eu, que de mim só consegui foi me submeter a mim mesma, pois sou tão mais inexorável do que eu, eu estava querendo me compensar de mim mesma com uma terra menos violenta que eu. Porque enquanto eu amar a um Deus só porque não me quero, serei um dado marcado, e o jogo de minha vida maior não se fará. Enquanto eu inventar Deus, Ele não existe.”

Um beijo.
Com carinho,
Carol

Achou o conteúdo interessante? Então seja o primeiro a recebê-lo!
Cadastre seu email no campo de newsletter abaixo 🙂

Carolina Nalon

por Carolina Nalon

Olá! Meu nome é Carolina Nalon e sou uma eterna inquieta que acredita que o mundo precisa de mais autenticidade e empatia. Espero que você encontre muita inspiração nas linhas e vídeos do meu blog. Se quiser saber mais sobre o que eu faço, visite a aba "projetos" desse site ou acesse: tiecoaching.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *