Hábitos tóxicos que a maioria das pessoas acha normal ter no relacionamento

Escrito por Mark Manson

 Não tem nenhuma matéria na faculdade sobre como não ser um namorado ou namorada ruim. Claro, nos ensinam sobre a biologia do sexo, a legalidade do casamento e talvez algumas histórias de amor obscuras do século 19 sobre como não se comportar em um relacionamento.

Mas quando se trata de realmente lidar com relacionamentos na prática, nos dão zero dicas… Ou, pior, nos dão conselhos de colunas de revistas.

Sim, é o jogo da tentativa e erro. E se você for como a maioria das pessoas, deve estar tento muitos fracassos.

Mas parte do problema é que muitos hábitos doentios de se ter no relacionamento estão arraigados na nossa cultura. A gente idolatra o amor romântico — você sabe, aquele tonteante e irracional amor romântico que, de alguma maneira, acha meio fofo quebrar louça chinesa na parede durante um escândalo choroso — e zoa a praticidade ou sexualidades pouco convencionais. Homens e mulheres são criados para objetificar um ao outro e objetificar o relacionamento. Então, nossos parceiros são comumente vistos como bens em vez de alguém com quem compartilhar apoio emocional mútuo.

 Jetsunma Tenzin Palmo falando da diferença entre amor romântico e amor genuíno

Muito da literatura de autoajuda também não é útil (não, homens e mulheres não são de planetas diferentes). E para a maioria de nós, mãe e pai também certamente não foram os melhores exemplos nesse campo.

Felizmente foram feitas muitas pesquisas psicológicas sobre relacionamentos felizes e saudáveis nas últimas décadas, e há alguns princípios gerais pipocando consistentemente que a maior parte das pessoas desconhece ou não segue. Na verdade, alguns desses princípios vão contra o que tradicionalmente é considerado “romântico” ou normal em um relacionamento.

Abaixo estão seis das tendências de relacionamento mais comuns que a maioria dos casais vê como normal e saudável, mas na verdade são tóxicas e estão destruindo tudo que você ama. Preparem os lencinhos.

 

  1. O placar do relacionamento

O que é: o fenômeno de contar pontos é quando alguém que você namora continua te culpando por erros do passado no relacionamento. Se ambos fazem isso, isso se desenvolve ao que chamo de “placar do relacionamento”, quando vira uma batalha para ver quem fez mais merda ao longo dos meses ou anos e, portanto, quem deve mais a quem.

Você foi um escroto no aniversário de 28 anos da Cíntia lá em 2010 e isso arruinou sua vida desde então. Por quê? Porque não tem uma semana que passa que você não é lembrado disso. Mas tudo bem, porque aquela vez que você pegou ela flertando por mensagem com o colega de trabalho imediatamente tira o direito dela ter ciúme, então vocês meio que estão quites, certo?

Errado.

Por que é tóxico: o placar do relacionamento se desenvolve ao longo do tempo porque um ou os dois usam erros do passado para justificar uma justiça atual. Isso é uma merda dupla. Você não está só desviando a questão atual, mas também botando lenha na fogueira da culpa e da amargura do passado para manipular seu parceiro para se sentir mal no presente.

Se isso se estende, os dois eventualmente gastam a maior parte de suas energias tentando provar que são menos culpados do que o outro, em vez de solucionar o problema atual. As pessoas perdem tempo tentando estar menos erradas em vez de ser mais certas umas para as outras.

O que você deve fazer em vez disso: lidar com as questões individualmente, a não ser que elas estejam legitimamente conectadas. Se alguém trai habitualmente, então obviamente é um problema recorrente. Mas o fato de ela ter te envergonhado em 2010 não tem nada a ver com ter ficado triste e te ignorado em 2013, então nem fale disso.

Você precisa reconhecer que ao escolher estar com seu parceiro, você está escolhendo estar com todas as suas ações e comportamentos passados dele. Se você não aceitou essas coisas, então não o está aceitando. Se algo te incomodou muito um ano atrás, você deveria ter lidado com isso há um ano.

 

  1. Dar “dicas” do que quer e outras atitudes passivo-agressivas

 

O que é: em vez de admitir um desejo ou pensamento abertamente, seu parceiro tenta te “empurrar” na direção certa para você descobrir sozinho. Em vez de falar o que está realmente te chateando, você encontra maneiras pequenas e mesquinhas de irritar seu parceiro para aí sim se sentir justificado ao reclamar para ele.

Por que é tóxico: porque mostra que vocês dois não estão confortáveis para se comunicar abertamente e com clareza um com o outro. A pessoa não tem razão para ser passivo agressiva quando se sente segura expressando raiva ou insegurança dentro do relacionamento. A pessoa nunca vai sentir a necessidade de ficar dando “dicas” para você se sentir que não será julgada ou criticada por isso.

O que você deve fazer em vez disso: comunique seus sentimentos e desejos abertamente. E deixe claro que a outra pessoa não é necessariamente responsável ou obrigada satisfazê-los, mas que você amaria ter o suporte dele. Se a pessoa te ama, quase sempre é capaz de dá-lo.

 

  1. Ficar ameaçando o relacionamento

O que é: quando uma pessoa tem uma simples crítica ou reclamação a fazer e chantageia a outra pessoa ao ameaçar o relacionamento como um todo. Por exemplo, se alguém sente que você tem sido frio com ele, em vez de falar “sinto que você tem sido frio às vezes”, ele vai dizer: “não posso namorar alguém que é frio comigo toda hora”.

Por que é tóxico: é chantagem emocional e cria um monte de drama desnecessário. Toda pequena lombada no fluxo do relacionamento resulta numa crise aparente do compromisso. É crucial para ambas as pessoas do relacionamento saber que pensamentos e sentimentos negativos podem ser comunicados com segurança um ao outro sem isso ameaçar o relacionamento em si. Senão as pessoas vão reprimir seus reais pensamentos e sentimentos, o que leva a um ambiente de desconfiança e manipulação.

O que você deve fazer em vez disso: é ok ficar chateado com seu parceiro ou não gostar de algo neles. Isso se chama ser um ser humano normal. Mas entenda que se comprometer a alguém e sempre gostar de alguém não são a mesma coisa. É possível você ter um compromisso com alguém e não gostar de tudo nele. É possível ser eternamente devoto a alguém e, na verdade, se irritar ou ficar bravo com ele às vezes. Pelo contrário, dois parceiros capazes de comunicar feedback e críticas um ao outro sem julgamentos e chantagem vão fortalecer seus laços em longo prazo.

 

  1. Culpar o parceiro pelas suas próprias emoções

O que é: vamos dizer que você está tendo um dia merda e seu parceiro não está sendo super compreensivo ou solidário no momento. Ele ficou no telefone o dia todo com algumas pessoas do trabalho. Ele se distraiu quando você o abraçou. Você quer ficar deitado com ele em casa e assistir a um filme esta noite, mas ele tem planos de sair e ver amigos.

Então você o ataca por ser super insensível com você. Você está tendo um dia de merda e ele não fez nada a respeito. Claro, você nunca pediu, mas ele deveria saber e te fazer sentir melhor. Ele deveria ter saído do telefone e desencanado dos planos baseado no seu estado emocional negativo.

Por que é tóxico: culpar nossos parceiros por nossas emoções é uma forma sutil de egoísmo e um exemplo clássico de falta de limites pessoais. Quando você estabelece um precedente de que seu parceiro é responsável por como você se sente o tempo todo (e vice-versa), você desenvolve tendências codependentes. De repente, ele não pode planejar atividades sem checar com você antes. Todas as atividades em casa — mesmo as mais banais, como ler um livro ou assistir à TV — devem ser negociadas e comprometidas. Quando alguém começa a ficar chateado, todos os desejos pessoais saem pela janela porque agora é nossa responsabilidade fazer o outro se sentir melhor.

O maior problema de desenvolver essas tendências codependentes é que elas semeiam ressentimento. Claro, se minha namorada ficar brava comigo uma vez porque está tendo um dia merda e está frustrada e precisa de atenção, isso é compreensível. Mas se isso se tornar uma expectativa de que minha vida gire em torno do bem-estar emocional dela o tempo todo, muito em breve vou ficar amargurado e até manipulador em relação aos sentimentos e desejos dela.

O que você deve fazer em vez disso: assumir responsabilidade pelas suas próprias emoções e esperar que seu parceiro seja responsável pelas dele. Existe uma diferença sutil e importante entre ser compreensivo com seu parceiro e ser obrigado a atendê-lo. Qualquer sacrifício deve ser feito como uma escolha autônoma e não ser visto como uma expectativa. Assim que ambos no relacionamento se tornam culpáveis pelo humor e momentos ruins do outro, isso incentiva os dois a esconderem suas reais emoções e manipular um ao outro.

 

  1. Demonstrações de ciúme “amoroso”

O que é: ficar puto quando seu parceiro conversa, encosta, liga, manda mensagem, sai ou espirra nos arredores de outra pessoa. E quando você joga essa raiva no parceiro na tentativa de controlar seu comportamento. Isso geralmente leva a comportamento insanos como hackear o email do parceiro, olhar suas mensagens quando eles estão no banho ou até seguí-los pela cidade e aparecer de repente quando eles não estão te esperando.

Por que é tóxico: me surpreende que algumas pessoas descrevem isso como algum tipo de demonstração de afeto. Eles acham que se o parceiro não tivesse ciúme, isso poderia significar que não foram amados por ele.

Isso é absolutamente loucura total para mim. É controlador e manipulador. Isso cria dramas e brigas desnecessários. Transmite a mensagem de falta de confiança na outra pessoa. E, para ser honesto, é degradante. Se minha namorada não confia em mim para estar sozinho na companhia de outras mulheres atraentes, então isso implica que ela acredita que sou a) um mentiroso ou b) incapaz de controlar meus impulsos. Em qualquer caso, é uma mulher que eu não quero namorar.

O que você deve fazer em vez disso: confiar no seu parceiro. É uma ideia radical, eu sei. Um pouco de ciúme é natural. Mas ciúme excessivo e comportamentos controladores com seu parceiro são sinais dos seus próprios sentimentos de falta de dignidade, e você deve aprender a lidar com eles e não os forçar nas pessoas próximas a você. Porque senão você apenas vai afastá-los eventualmente.

 

  1. Comprar soluções para problemas do relacionamento

O que é: quando surge qualquer grande conflito ou questão no relacionamento, em vez de solucioná-lo, a pessoa o acoberta com os sentimentos bons e excitantes que vêm junto com comprar algo legal ou fazer uma viagem a algum lugar.

Meus pais são especialistas nisso. E isso não os levou muito longe: um grande divórcio e 15 anos de não se falar desde então. Eles têm me dito independentemente que esse foi o maior problema do relacionamento: acobertar as questões reais com prazeres superficiais.

Por que é tóxico: isso não só varre o problema real para debaixo do tapete (de onde ele vai sempre reemergir e ainda pior da próxima vez), mas isso estabelece um precedente doentio dentro do relacionamento. Isso não é um problema específico de um gênero, mas vou usar a situação tradicional de gênero como exemplo. Vamos imaginar que sempre que a mulher fica brava com seu namorado/marido, o homem “soluciona” a questão comprando algo legal para ela, ou levando ela para um restaurante legal ou algo assim. Isso não só a incentiva inconsciente a encontrar mais razões para ficar chateada, como não incentiva o homem a se responsabilizar pelos problemas do relacionamento. Então o que resta? Um marido ausente que se sente um caixa eletrônico, e uma mulher incessantemente amargurada que não se sente ouvida.

O que você deve fazer em vez disso: na verdade, sabe, lidar com o problema. A confiança foi quebrada? Converse sobre o que vai precisar para reconstruí-la. Alguém se sente ignorado ou desvalorizado? Converse sobre maneiras de restaurar esses sentimentos de apreciação pelo outro. Comunique-se!

Não tem nada de errado em fazer coisas legais para um parceiro depois de uma briga para demonstrar solidariedade e para reafirmar o compromisso. Mas não se deve usar presentes ou coisas extravagantes para substituir o lidar com as questões emocionais por baixo disso. Presentes e viagens são chamados de extravagâncias por um motivo, você só pode apreciá-las quando todo o resto já estiver bem. Se você as usa para acobertar problemas, aí você vai se ver com um problema ainda maior no futuro.

 

texto traduzido por Marcela Braz

 

Carolina Nalon

por Carolina Nalon

Olá! Meu nome é Carolina Nalon e sou uma eterna inquieta que acredita que o mundo precisa de mais autenticidade e empatia. Espero que você encontre muita inspiração nas linhas e vídeos do meu blog. Se quiser saber mais sobre o que eu faço, visite a aba "projetos" desse site ou acesse: tiecoaching.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *